terça-feira, dezembro 12, 2006

Sou só mais uma a escrever sobre o amor


Penso, por vezes, que afinal o amor pode não ser grande coisa. Nasce do medo da morte, cria dependências, tiraniza a vontade, gera meandros em trilhos que julgávamos indeléveis.
O amor pode não ser grande coisa: à sua volta, como satélites, gravitam emoções negativas e sentimentos menos nobres. São desesperos, ciúmes, inseguranças e mostram-nos como somos frágeis.
E quando termina é um vazio, uma montanha oca, um mar chão. Acaba-se a vida.
É, por isso, cruel e tirano, tem tiques de ditador e diverte-se a digladiar o tempo.
Às vezes unem-se, os dois, contra nós. Esmagam-nos, torturam-nos, transformam-nos em fantoches.
E nós, submissos, continuamos a procurá-lo, a cantá-lo, a querê-lo.
Amamo-lo e perdoamos "o mal que faz pelo bem que sabe". Somos um paradoxo e o amor, outro.
i

6 Comments:

Anonymous Andarilhus said...

...a natureza e a sorte do Homem: esconjurar a partilha e o companheirismo bi-face, como Jano, até que a dado passo do calendário da vida ter o dom de acertar… Felizes os que acertam à primeira; pacientes os penitentes que têm de tocar várias árvores até encontrar o abrigo que os aguarda desde sempre e para sempre…
Obrigado I…
"(ºoª)"

12 dezembro, 2006  
Blogger Putty Cat said...

Boa dissertação.

Concordo com ela. E a linha que separa o amor do ódio é tão ténue...

Bj

14 dezembro, 2006  
Blogger Putty Cat said...

E a linha que separa o amor é tão ténue, não achas?

Boa dissertação esta.

Bj.

PCat

14 dezembro, 2006  
Blogger joão marinheiro said...

Sabes, Desisti de procurar saber o que é o amor...
Abraço que andas fugida...

15 dezembro, 2006  
Blogger Amir said...

Por si uma indefinição...

17 dezembro, 2006  
Anonymous Andarilhus said...

Olá I,
dado o teu silêncio, passei e deixo os votos para que tudo se concretize neste Natal de acordo com os teus desejos. Boas Festas!
Um beijo
"(ºoº)"

22 dezembro, 2006  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

on-line hits.