quarta-feira, julho 12, 2006

Vi a transfiguração

Vi a transfiguração
do meu primeiro amor .
Vi essa criança
transformar-se em insecto
e desaparecer para sempre
devorada
pela escuridão da noite.
As suas mãos
ficaram
enfiadas no meu ser.
Metidas
com toda a força
no meu pensamento.
Ficaram
coladas à minha lembrança.
Agarradas aos meus olhos.
Eram as mãos de Eurídice
longas e psíquicas
cintilantes como a luz da lua.
A recordação era tão absorvente
que me trabalhou por dentro.
O corpo começou a apodrecer.
Uma película estalou
e caiu como uma casca.
Quando me vi nu
não me reconheci.
Eu era outro.
Tinha crescido sem medida.
Era incapaz de vestir roupa.
Quando experimentava umas calças
rebentava-as nas costuras.
Sentia o desconforto de um gigante.
Era-me impossível um transporte público
um café
ou um cinema.
Tudo me era aperto.
As suas mãos infinitas
estavam sempre presentes no meu espírito.
Doces.
Cintilantes.
Cheias de luz.
O mundo que me rodeava aborrecia-me.
Tinha distracções a mais.
Eu queria devotar-me à recordação
daquelas mãos.
Era uma saudade intensa
cheia de calor
que chegava para me alimentar a vida
e me encher o espírito de esperança.
As suas mãos afastavam-me do mundo
pedindo-me fidelidade e adoração.
Tudo me recordava
a fragilidade que havia na sua luz.
Era a essa janela que eu me encostava
e me deixava ficar.
Era a pureza da infância
que eu contemplava
quando pensava na sua ausência.
Era a beleza da luz
que eu inventava
quando encostava a boca à escuridão.
Passei a viver de noite
encostado
à janela da memória.
Tornei-me um habitante do lado obscuro
e silencioso da vida.
Fiquei só com o céu.
A saudade cresceu.
Fazia-me amar tudo.
A terra já não me chegava.
Eu precisava de um além.
Eram os astros.
O meu passado e o firmamento
tinham a mesma natureza.
Cresciam com a mesma força.
O céu e a minha alma eram idênticos.
No céu havia o infinito da minha saudade
e a luz da minha memória.
Na minha alma vibrava uma ondulação celeste
sem fundo nem medida.
Passava pela minha vida
uma aragem infinita
uma comoção cósmica.
À janela da recordação
eu vigiava o firmamento.
As suas mãos brilhavam nas trevas.
As suas mãos cintilavam no céu.
Eram uma tatuagem celeste.
A constelação eterna.
o nome da noite.
Ainda hoje eu me encosto a essa janela.
Ainda hoje eu me alimento
da lembrança das suas mãos.
Ainda hoje eu tenho a boca
contra a mesma escuridão.
Nos meus olhos
há o céu do seu olhar .
No meu silêncio
o mistério do seu nome
e na obscuridade da minha vida
ficou para sempre a pulsar
a noite dessa saudade.


António Cândido Franco

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

on-line hits.